A IMPORTÂNCIA DO VALUATION NA CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTOS PELAS SOCIEDADES EMPRESÁRIAS

1 de setembro de 2022 Artigos 0 Comentários

Tempo de Leitura:  7 minutos

Os investimentos são essenciais para que as sociedades empresárias, independentemente do tipo societário adotado (seja sociedade empresária limitada ou sociedade por ações), desenvolvam as suas atividades e ganhem competitividade no mercado, de forma a garantir a sua escalabilidade e crescimento.

Existem diversos tipos de investimentos disponíveis, sendo que a escolha da modalidade mais adequada ao caso concreto dependerá da análise de alguns fatores relevantes, tais como o tipo societário e o perfil da sociedade investida – destacamos aqui o private equity e o venture capital [1]– o interesse do investidor em se tornar sócio ou acionista da sociedade investida e o momento do seu ingresso no quadro societário, a possibilidade de retorno financeiro a curto ou longo prazo, dentre outros.

Um dos principais conceitos utilizados no momento da realização de um investimento é o “valuation”, cujo termo é utilizado para definir “avaliação de empresas”. O valuation é um processo que utiliza vários indicadores da sociedade investida, tais como a receita, o número de clientes, o potencial crescimento, a existência de um plano de negócios, os ativos tangíveis e intangíveis de sua propriedade, a existência de passivos e contingências (sejam elas materializadas ou não), bem como utiliza cálculos matemáticos e alguns elementos subjetivos com o intuito de determinar o valor estimado da sociedade que receberá o investimento[2].

Vale ressaltar que, para o cálculo do valuation de uma sociedade, é possível realizar a comparação de certos indicadores – também chamados de múltiplos – que servem para comparar empresas que atuam no mesmo segmento, tais como: (a) Preço Lucro (P/L); (b) Valor Patrimonial; (c) Valor da Firma sobre EBITDA (EV/EBITDA); e (d) EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization – em português, o EBITIDA é conhecido como LAJIDA e significa “Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização”).

Existem diversas técnicas para o cálculo do valuation de uma empresa, sendo algumas mais usualmente utilizados no mercado. São elas: (a) Fluxo de Caixa Descontado (FDC); (b) Múltiplo de EBITDA; (c) Múltiplos de Mercado; (d) Valuation Contábil; (e) Preço/Lucro (P/L); (f) Enterprise/EBITDA (EV/EBTIDA); (g) Dividend Yield; (h) Valuation Pré Investimento e Valuation Pós Investimento.

Ante o exposto, o valuation é uma das principais ferramentas utilizadas no mercado financeiro para o cálculo do “valor justo” de quotas ou ações, considerando que, uma vez que o valuation calcula o valor estimado da sociedade, o “valor justo” das quotas ou ações a serem adquiridas pelo investidor (seja no momento atual ou em momento posterior em razão de exercício de direito de conversão), poderá ser calculado pela divisão entre o valor do valuation e o valor total de quotas ou ações emitidas pela sociedade.

Dito isso, no momento da captação de investimentos pela sociedade, é de extrema importância a análise e o cálculo do valuation por empresas ou consultores especializados, uma vez que o cálculo do valuation da sociedade investida causará impactos no valor a ser aportado e, principalmente, na porcentagem de equity a ser detida pelo investidor.

Continue nos acompanhando e fique por dentro das novidades sobre o tema.

Equipe de Consultoria do Molina Advogados

[1] O private equity e o venture capital são tipos de investimentos em capital de risco. O private equity tem como objeto o investimento em empresas que já se encontram em um estado maduro de desenvolvimento e em uma posição mais consolidada no mercado. Já o venture capital tem como objeto o investimento em startups, ou seja, empresas novas de pequeno ou médio porte que estão em fase de crescimento ou expansão, com expectativa de crescimento rápido, rentabilidade alta e maior risco ao investidor.

[2] O cálculo do valuation é essencial para investimentos em que o investidor irá ingressar no quadro societário da sociedade investida, a fim de calcular o preço de emissão e a quantidade das quotas ou ações a serem emitidas pela sociedade, considerando o valor aportado pelo investidor.

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email