Novidades nas Obrigações Acessórias

Tanto o Fisco Federal quanto o Municipal, neste caso o município de São Paulo, trouxeram novidades com relação às obrigações tributárias acessórias.

São Paulo regularizou a entrega da DAI, que a partir desta semana passa a ser obrigatória e a Receita Federal trouxe alterações no que tange ao preenchimento de GPS, em relação ao Aviso Prévio Indenizado.

DECLARAÇÃO DE ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS – DAI

A DAI é o instrumento pelo qual são informados, à administração tributária, dados relativos a atividades de venda e locação de unidades imobiliárias localizadas no Município de São Paulo, bem como a intermediação dessas atividades.

A criação dessa obrigação foi em 2005, através da lei municipal 14.125, mas sua regulamentação é recente (IN 32 da Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico) e a obrigatoriedade da entrega ocorre a partir desta semana (15/08/2017).

Vale destacar que a responsabilidade pela apresentação da DAI independe do declarante ser contribuinte ou responsável pelo pagamento do IPTU, sendo responsáveis pela entrega da declaração: (i) construtoras ou incorporadoras que comercializarem unidades imobiliárias por conta própria;  (ii) imobiliárias e administradoras de imóveis que realizarem intermediação de compra e venda e aluguéis de imóveis;  (iii) leiloeiros oficiais no caso de arrematação de imóveis em hasta pública e (iv) agentes, corretores ou intermediários de bens imóveis.

ATENÇÃO! Nos termos da Lei 10.819/1989, a não apresentação da declaração no prazo, bem como a ausência de sua apresentação, implicará a aplicação das penalidades pecuniárias.

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1730, DE 15 DE AGOSTO DE 2017

Referida Norma altera a Instrução Normativa RFB nº 925, de 2009, que dispõe sobre as informações a serem declaradas em Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social (GFIP) pelas microempresas ou empresas de pequeno porte optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional).

Essa alteração orienta o contribuinte no que tange à geração e preenchimento de GPS, em relação ao aviso prévio indenizado, até 2016, tendo em vista que a partir dessa data o entendimento é de que não é possível a incidência de contribuição previdenciária sobre o aviso prévio indenizado, nos termos do Recurso Especial nº 1.230.957/RS, e em razão da Nota PGFN/CRJ nº 485, de 2 de junho de 2016, vinculando o entendimento do STJ no âmbito da Receita Federal.

Não deixe de nos acompanhar para ficar por dentro das novidades do direito tributário!

Equipe Tributária do Molina Advogados

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email